Abstract

2 pages
7 views

openend [#001_ MR]

of 2
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Share
Description
openend [#001_ MR]
Transcript
  openend [ #001_MR ]   A cidade de Coimbra tomou a data do falecimento da rainha em Estremoz como sua, e foi a partir de então que o 4 de Julho se firmou como o dia da cidade do Mondego estabelecendo-se,  para o efeito e praticamente todos os anos, um conjunto de festividades que intentam celebrar Isabel de Aragão como a rainha que foi santa. A todos os anos pares, sai a sua veneranda imagem de Santa Clara para a igreja do colégio da Graça, na rua da Sofia, de onde volta a afastar-se dias depois, para regressar por dois anos ao seu natural porto de abrigo. Coimbra tem mantido viva esta riquíssima personagem histórica que veio acolher-se à cidade em vida, e depois da morte, instituindo com ela uma relação de encontro entre o sagrado e o profano. É com base neste encontro , e nas múltiplas realidades que ele invoca, que a IC Zero decidiu juntar-se às comemorações citadinas em 2013, recuperando um projecto que nasceu no ano par, no passado 2012, pretendendo transferir o corpo da Isabel Rainha, revestido pela história na aura da sua imortalidade, para outra dimensão, ou para a sua dimensão estética e artística, permitindo a reflexão sobre a sua própria importância no contexto material e espiritual de Coimbra no século XXI.   O projecto artístico o  penend [ #001_MR ] visa comemorar a figura que patrocinou uma vasta plêiade de artistas, que ajudou a erguer um dos mais notáveis mosteiros medievais  portugueses (Santa Clara-a-Velha, junto aos Paços onde viveu), que criou modelos escultóricos que fizeram esteira na região, estimulando a cidade a tornar-se num dos mais importantes centros de produção artística nacional. Para além desta importância cultural que Isabel de Aragão acolhe, este projecto também reflecte sobre a espessura de Isabel de Aragão enquanto mulher e enquanto entidade que joga com o poder da imortalidade. Efectivamente, as obras de arte envolvem-se com a realidade e com a irrealidade, por  partirem do mundo para a criação de outros mundos, refeitos e inventados. A realidade que importa e que deu vida ao projecto o  penend [#oo1_MR] imprime-se na figura de Isabel de Aragão e nos insondáveis mistérios que a fazem sobreviver no tempo, mostrando-nos, de quando em vez, a sua incorruptibilidade sobrevivente através da sua mão, abrindo o discurso à reflexão  sobre a dicotomia mortalidade-imortalidade . Trata-se de um assunto caro ao imaginário por construir um ponto fulcral da existência do homem enquanto indivíduo que desaparece. Com esta mostra de artes visuais oferecem-se à cidade novos pontos de vista sobre Isabel de Aragão, uma profícua patrona de obras de arte durante a Idade Média e que,  pela sua valentia enquanto mulher conciliadora e solidária, viu nascer um vasto grupo de lendas que lhe imortalizaram o nome. A sua carne, essa, tornou-se enigmaticamente imperecível, fazendo jus à ideia de que um belo espírito se dá a conhecer através da  beleza do seu corpo. Texto de Carla Alexandra Gonçalves Fotografia de  Bruno Pires  (  Publicado a 4 de Julho )
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x